Mais 1ndic@ções

Cotas sociais têm aprovação maior do que raciais, aponta pesquisa

Cotas sociais têm aprovação maior do que raciais, aponta pesquisa

07/07/2015 09h42 - Atualizado em 07/07/2015 09h42

Cotas sociais têm aprovação maior do que raciais, aponta pesquisa

Hello Research diz que 48% apoia cotas sociais no acesso a universidades.
Total cai para 38% quando pergunta trata de afrodescendentes e minorias.

Do G1, em São Paulo
Os brasileiros são mais favoráveis que universidades públicas adotem cotas sociais como políticas de inclusão de alunos do que cotas raciais, segundo pesquisa feita pela agência de pesquisa Hello Research no primeiro semestre de 2015.
De acordo com o levantamento, 48% dos pesquisados apoiam a política de cotas sociais no ensino superior, enquanto 38% aprovam o uso de cotas raciais.
No caso das cotas sociais, os pesquisados se posicionaram diante da pergunta dos entrevistadores sobre se apoiam a reserva de vagas para alunos que frequentaram o ensino público.
Já quando o levantamento abordou as cotas raciais, eles opinaram sobre reserva para afrodescendentes e minorias étnicas.
A pesquisa ouviu mil pessoas, maiores de 16 anos e em 70 cidades de todas as regiões do país. A margem de erro é de três pontos porcentuais e o índice de confiança é de 95%.
Quando o tema é seleção para o serviço público, 39% são favoráveis, enquanto 34% são contra.
Para Nelson Fernando Inocêncio da Silva, coordenador do Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros (Neab) da Universidade de Brasília (UnB), as pessoas ainda têm dificuldade para diferenciar cotas socias e raciais.
Uma [cota] não anula a outra, mas precisam ser tratadas de formas distintas"
Nelson Fernando Inocêncio da Silva, coordenador do Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros (Neab) da Universidade de Brasília (UnB)
"Uma [cota] não anula a outra, mas precisam ser tratadas de formas distintas", explica.
Cotas raciais são aquelas destinadas a pessoas autodeclaradas pretas, pardas ou indígenas. Já cotas sociais podem ser destinadas para egressos de escolas públicas ou para quem possui baixa renda.
O levantamento também aponta que a classe A é o grupo com maior rejeição à qualquer tipo de cota, sendo 58% contra às cotas raciais e 50% contra às cotas sociais. Segundo Nelson Inocêncio, os dados podem ser o reflexo da discussão sobre o tema no país.
"No Brasil não é difícil de reconhecer a pobreza como um fenômeno que atinge as pessoas. Não temos problema para discutir a pobreza, mas temos para discutir o racismo. É uma das limitações da nossa sociedade", afirma o especialista.
Não temos problema para discutir a pobreza, mas temos para discutir o racismo. É uma das limitações da nossa sociedade"
Nelson Inocêncio
Somadas, as regiões Norte e Centro-Oeste concentram o maior apoio às cotas, sendo 54% a favor das cotas sociais e 48% a favor das cotas raciais. Em contrapartida, a região Nordeste é a mais desfavorável sobre às cotas raciais (38%), seguida do Sudeste (33%).
Falha em interpretação
João Feres Júnior, do Grupo de Estudos Multidisciplinares da Ação Afirmativa (Gemaa) da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Uerj), acredita que a rejeição às cotas raciais se deve à má interpretação feita sobre elas.
"Existe ainda uma impressão disseminada de que as cotas sociais resolveriam o problema das cotas raciais, o que estudos contestam, já que existe desigualdade racial em qualquer faixa de renda".
Mas o especialista discorda dos dados da pesquisa, já que, segundo ele, "existem pesquisas que apontam que a aceitação para cotas raciais está crescendo".
Curta-metragem acompanhou manifestação em favor de cotas raciais (Foto: Divulgação)Manifestação em favor das cotas raciais. (Foto: Divulgação)
Política de cotas
Em agosto de 2012, o Ministério da Educação adotou a política de cotas sociais e raciais no Sistema de Seleção Unificada (Sisu). Em 2013, as universidades federais e institutos tecnológicos destinaram 12,5% das vagas para alunos de escolas públicas e, dentro deste universo, um percentual para estudantes autodeclarados pretos, pardos ou indígenas. Em 2014, 25%. Em 2015, 37,5%. Em 2016, 50% das vagas serão para cotistas.
Nelson Inocêncio aponta que ainda é necessária uma discussão profunda sobre as cotas raciais, já que elas remontam para o passado do país.
"O racismo no Brasil é histórico. Quando continuamos com esse medo de discutir a questão racial, o prejuízo vai ser para a sociedade brasileira, porque discutimos para superá-lo".
O professor também afirma que a educação é essencial para entender a questão racial no Brasil. "Eu acredito que a gente precisa trabalhar com a informação, com a produção de conhecimento, com a nossa cultura e as nossas contradições. Os brasileiros precisam se conhecer mais, inclusive para ter uma posição crítica sobre eles mesmo".
  •  
O primeiro vestibular com o sistema de cotas para negros foi realizado em junho de 2004. A UnB foi a primeira instituição do pais a adotar o sistema. Dos 4.385 cotistas inscritos no plano, 4.173 têm suas inscrições homologadas. (Foto: UnB Agência)O primeiro vestibular com o sistema de cotas para negros foi realizado em junho de 2004. A UnB foi a primeira instituição do pais a adotar o sistema. (Foto: Divulgação/UnB Agência)

#Compartilhar

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Arquivo Indicador

INDIC@ DESDE 2008 - INDICANDO OS MELHORES CONTEÚDOS
Jovex Webdesigner
Hoje é

Marcadores

Traduzido Por: Mais Template - Designed Seo Blogger Templates